Author: Maíra
•09:19
Texto de Louise Hay.


"O corpo que podemos ver e tocar não consegue nos conduzir para dentro do Ser. Mas esse corpo visível e palpável é só uma casca, ou melhor, uma percepção limitada e distorcida de uma realidade mais profunda. Em nosso estado natural de conexão com o Ser, essa realidade mais profunda pode ser sentida, a cada momento, como o corpo interior invisível, que é a presença viva dentro de nós. Portanto, "habitar o corpo" é sentir o corpo bem lá no fundo, de modo a sentir a vida dentro dele e, assim, perceber que somos algo mais além da forma exterior. "

ECKHART TOLLE



Embora muitas pessoas me vejam como alguém com o poder de curar os outros, eu não curo ninguém.

Meu trabalho é ajudar as pessoas a compreenderem como seus pensamentos criam, constantemente, suas próprias experiências de vida - todas elas, tanto as boas quanto as que chamamos de más experiências.

Nossos pensamentos podem, estar contri­buindo para o bem-estar ou para o mal-estar de nossos corpos.

Não queremos ficar doentes e, no entanto, podemos aprender com cada doença que contraímos.

É a maneira que nossos corpos encon­tram para nos dizerem que estamos com uma idéia errada, com uma percepção falsa, e que precisamos mudar nossa forma de pensar.

Cada doença é uma lição que precisamos aprender.

Por favor, não fique só reclamando: "quero me livrar desta doença."

Isso não vai trazer a cura que você deseja e você não vai aprender a lição de que necessita.

Não se coloque também numa atitude defensiva, como se a doença fosse uma espécie de acusação. Não se trata de condenar nem de sentir nenhuma culpa.

Tanto na doença quanto em qual­quer situação de vida, o importante é observar o que está acon­tecendo conosco para entender o que precisa ser libertado e trans­formado.

Toda doença é resistência e essa resistência é causada por uma acumulação de experiências ruins. Agora é hora de se limpar desse lixo (raiva, ciúmes, apegos, traumas, tristezas, ressentimentos, magoas, dor, ódios, preocupação...) e entregar tudo para o universo... o universo irá reciclar esse lixo todo , ele sabe fazer isso... transformar é se libertar... dessas velhas historias, do medo, da dor... e escolher o amor.

Então eu lhe digo: é hora de se curar, de tornar sua vida e seu corpo íntegros, que significa que você deseja investir na sua saúde. Eu sei que você tem, dentro de si, tudo de que precisa para conseguir isso.

Quando você começar a compreender o processo que leva à saúde ou à doença, será capaz de assumir o controle consciente das mudanças que deseja fazer.

É um processo muito emocionante que vai se tornar uma das aventuras mais felizes da sua vida.

Acredito que existe um centro de sabedoria dentro de cada um de nós e que, quando estamos prontos para fazer mudanças positivas, atraímos o que é necessário para nos ajudar.

O corpo é um espelho das nossas crenças e dos nossos pen­samentos mais íntimos.

O corpo está sempre conversando conosco.

É preciso aprender a escutar o que ele tem a dizer.

Cada célula reage a cada pensamento seu, a cada palavra que você pronuncia.

Por isso, se prolongamos durante muito tempo determinadas formas de pensar e de falar, elas irão produzir comportamentos e posturas corporais, assim como um maior ou menor bem-estar.

Suas palavras e pensamentos contribuem para sua saúde ou sua doença.

Louise Hay


"Eu tenho a proteção do amor divino.
Não há nada a temer, NÃO HÁ NENHUMA PRESSÃO.
Estou em segurança .
O amor É A LUZ QUE ILUMINA MINHA vida.
Eu me alimento desse sentimento,
E vivo nesse momento , essa emoção,
DEIXO O PASSADO PARA trás, e sigo rumo ao novo,
ao mais doce, ao mais belo, ao mais agradável, ao mais calmo,
ao mais livre, ao mais bonito.
Estou cercado de tranqüilidade, DE AMOR e DE paz.
Tudo está bem."


Suas palavras e pensamentos constroem sua saúde ou sua doença, sua tristeza ou sua alegria. Escolha, amado, ser fora, quem você é dentro.

Eu agora torno minha vida, uma vida fácil, alegre, e divertida.
Porque esse é quem Eu Sou, e É assim que eu me sinto.
Tudo está bem em meu mundo, pois sou inundado pela paz e a harmonia divina.
Porque esse é quem Eu Sou, e, É assim que eu me sinto.
Sou um oceano de amor e alegria.

Continue lendo...

Author: Maíra
•08:17


Como devo fazer para que a abundância entre em minha vida?Se sou um Co-Criador e tenho as mesmas qualidades de Deus, por que não consigo criar abundância na minha vida?

A opinião que temos da nossa vida depende de como nos sentimos, se dignos ou indignos de amor, de sermos amados ou não. De qualquer forma, criamos uma situação externa que reforça a opinião que temos de nós mesmos.Os pensamentos condicionados de escassez derivam da nossa percepção de sermos indignos de amor.Quando não nos sentimos dignos de amor, nós projetamos essa carência para fora, para o nosso exterior.

Cada preocupação em relação a algo que não temos, deriva do fato de vivermos no passado, a "falta" é simplesmente a lembrança, uma memória celular de velhas feridas que foram projetadas no futuro.E o que nos leva a ter pensamentos condicionados de escassez, é o medo que nos aconteça novamente o que já aconteceu no passado, justamente porque ainda não transmutamos aquela memória.

Para pôr fim a pensamentos condicionados de escassez, devemos perdoar o passado.Não importa o que aconteceu, ele não terá mais efeito quando for mudado.Você se sente tratado injustamente?Se é assim, você projetará essa carência em sua vida, pois só quem se sente tratado injustamente será tratado injustamente.

Perdoar o passado e deixá-lo ir torna possível uma escolha atual diferente.Não importa quantas vezes cometemos o mesmo erro, nós temos uma nova oportunidade de perdoar.Sem o perdão é impossível deixar ir os pensamentos de escassez.

Feridas escondidas dão vida a hábitos diários que nos fazem viver no passado e estas feridas devem ser reconhecidas e trazidas à luz da nossa consciência desperta, em todas as convicções e em todos os pressupostos inconscientes também.Isto porque o fato de que não nos lembremos de uma memória, de uma crença, não significa que ela não exista e que não aja na nossa vida diariamente.

A escassez é um professor importante.

Cada coisa que achamos que falta na nossa vida, cada sensação de carência reflete uma sensação interna de não sermos dignos e da qual devemos nos tornar ciente.A experiência da escassez não é um "castigo" de Deus, mas somos nós que mostramos a nós mesmos uma convicção que deve ser corrigida.

A abundância não existe só para dinheiro, mas também engloba outros aspectos da natureza do homem como saúde, amor, amizade, auto-estima, sucesso profissional, inteligência, criatividade, e tantos outros que fazem com que nos sintamos bem, nos dando a sensação de felicidade e plenitude.

Portanto, quando pensamos na falta de dinheiro e quando queremos abundância de dinheiro em nossas vidas, estamos refletindo apenas um aspecto das nossas necessidades interiores.Pois na realidade existe carência de amor, é o amor que traz abundância em nossas vidas.

Continue lendo...

Author: Maíra
•17:20
Entenda como atitudes diárias podem lhe aproximar do que almeja.

Você gosta daqueles filmes que apresentam os efeitos futuros de ações desencadeadas no passado e no presente? Eles estão entre aqueles que mais amo assistir.
Efeito Borboleta, Dejà Vú, Alta Frequência e De Volta para o Futuro fazem parte desta lista. Fico maravilhada ao constatar as conseqüências futuras de decisões tomadas no passado. E como a mudança de um simples hábito pode mudar completamente nossa vida futura.

Há alguns anos procuro estar bem consciente no momento em que preciso tomar uma decisão. Ainda mais depois de constatar o quanto mudei radicalmente minha vida quando decidi trilhar um caminho por meio do qual obtivesse mais satisfação. Você consegue perceber a conexão entre a vida que leva hoje ser resultado das escolhas que fez no passado?

Caso você queira ter uma vida diferente no futuro, talvez seja bacana visualizar e planejar os passos que pode dar para realizá-la. E quando for efetivamente colocar em prática o que vislumbrou, preste atenção no esforço que faz. Por quê? Porque, muitas vezes, um árduo esforço pode ser um indício de que ainda não escolheu os meios mais apropriados para mudar o seu futuro.

Um exemplo aparentemente bobo, mas prático e sempre presente no dia-a-dia, é o nosso caminhar. Se damos um passo muito longo, além do que naturalmente nos sentimos confortáveis em dar, há um esforço grande. E ele pode ser improdutivo. Pois talvez nos canse, nos machuque. Em contrapartida, se dermos vários passos naturais, sem um esforço excessivo, continuaremos no caminho daquilo que vislumbramos alcançar. E serão mais produtivos. Concorda?


Dica de exercício para nos aproximar do que queremos conquistar

Creio que essa situação cotidiana pode servir como analogia às ações que decidimos empreender hoje em prol de uma vida diferente no futuro. Não precisamos de uma mudança radical de hábitos de um dia para outro. São as nossas atitudes diárias que nos aproximam das nossas metas.

E é num passo após o outro que podemos desfrutar o trajeto até a concretização do que desejamos.

Uma ótima prática para vivermos algo diferente do que vivemos hoje é o de escrever cartas para o seu eu futuro. O eu futuro é você já mudado. Vive a vida que você gostaria de ter hoje. Ele já desenvolveu os hábitos que você precisará semear a partir de hoje.

Acompanhe a seguir um passo-a-passo:

1. Escreva semanalmente cartas para você mesmo, imaginando que está no futuro. Descreva limitações e resistências que possui atualmente e que precisarão ser superadas. O eu futuro compreenderá tais bloqueios, pois os venceu. E poderá lhe aconselhar atividades úteis de auto-superação. Ao seguir os conselhos do eu futuro, o eu presente estará cada dia mais próximo de ser e viver o que você almeja.

2. Vislumbre que, no futuro, você já está vivenciando as situações que deseja. Imagine como você agiria, quais seriam seus sentimentos, atitudes pensamentos. Se você, por exemplo, visualiza seu eu futuro enfrentando confiantemente os desafios da vida, identificará as atitudes que gradualmente precisará tomar para alcançar esse nível de sabedoria

3. Ao visualizar suas metas concretizadas, você se aproximará delas, as atrairá para você. Refletindo sobre as decisões que seu eu futuro tomou para chegar lá, o seu eu presente descobrirá quais as decisões que precisará tomar para, a cada dia, estar mais próximo do jeito de ser do seu eu futuro.


"Não precisamos de uma mudança radical de hábitos de um dia para outro. São as nossas atitudes diárias que nos aproximam das nossas metas. "

Continue lendo...

Author: Maíra
•16:59

Muitos de nós já devem ter percebido que, em certos momentos de nossas vidas, algum acontecimento ocorreu no local certo, no momento certo. Pode ter sido o encontro para o início de um grande relacionamento, a pessoa que o indicou para seu atual trabalho ou o livro que você ganhou de presente que o fez refletir sobre sua vida.

Se refletirmos com um pouco mais de profundidade, nos conscientizaremos que absolutamente tudo que aconteceu em nossa vida e todas as escolhas que fizemos no passado são responsáveis pela nossa atual situação.

De acordo com psicanalista e psiquiatra Carl Gustav Jung, criador do termo sincronicidade, este acontecimento está presente em toda nossa vida, porém é preciso ter consciência sobre ela para que se manifeste a nosso favor, e assim, possamos fazer a melhor escolha.Somos capazes de perceber a sincronicidade quando colocamos a nossa atenção em tudo o que fazemos.

Através desta atenção, expandimos nossa percepção e entramos num estado de tranqüilidade, de paz interior e de receptividade. Manter um pensamento positivo e estar bem consigo mesmo são essenciais para perceber sincronicidades favoráveis ao nosso desenvolvimento
A atenção é importante porque é através dela que podemos perceber como a sincronicidade está atuando em nós. É ela a responsável pela conexão com a Vida.

Já a intuição é nossa capacidade de perceber e sentir o que é certo para nós. É a voz do coração. É a sensação de que tal caminho é melhor que o outro em determinada situação.Há diferentes níveis e qualidades de sincronicidades. Há sincronicidades das mais banais até aquelas que podem mudar completamente sua vida. Percebo que elas ocorrem a partir do estado interno e da intenção da pessoa.

Quando temos uma intenção com relação à determinado assunto, é natural que nós também aumentemos nossa atenção para tal. Por exemplo, quando você tem a intenção de comprar determinado carro, pode ser que você comece a perceber carros idênticos ou semelhantes ao que você quer comprar à sua volta. Na verdade, eles já estavam lá. Apenas a sua atenção foi influenciada pela sua intenção de comprar o carro.

Já o estado interno determina a qualidade das sincronicidades. Se você está desesperado ou agitado, sua atenção se volta para situações semelhantes e você tende a perceber sincronicidades com esta mesma qualidade.
Por isso, é importante primeiro voltar a atenção para si e perceber qual o estado interno que está presente em seu interior. E quando conseguir alcançar este estado de presença e serenidade, experimente olhar ao seu redor perceber as situações que estão acontecendo. Deste estado você saberá o que fazer. Isso em si, já é um processo de auto-conhecimento.

A atenção ajuda a desenvolver a intuição e com a prática deste estado interno você será capaz de perceber cada vez mais sincronicidades que poderão levá-lo adiante em sua vida. Um ótimo exemplo de sincronicidade é o próprio fato de você estar lendo este artigo agora. Pode ser que você não tenha tido consciência até agora de como chegou até aqui, mas com certeza a sua atenção, a sua energia da intenção de se desenvolver e a sua própria intuição fizeram com que neste momento você se encontre aqui.

Espero que você possa, a partir de hoje, prestar mais atenção em sua vida e nas coisas que acontecem ao seu redor, mantendo firme a intenção no seu crescimento e desenvolvimento pessoal como um todo.

Autor: Saulo Nagamori Fong

Continue lendo...

Author: Maíra
•10:25
Uma das coisas que me tem saltado aos olhos é a percepção de como o ego sempre influencia -e muito- a maioria das situações que se apresentam em nossas vidas criando desarmonia na maioria das vezes. E o que seria a influência do ego ao invés da escolha da alma para conduzir as situações? Como podemos identificar a presença de um e de outro? Enumerei algumas características do ego e fiz o mesmo com as da alma para que possamos entender um pouco sobre estas duas partes de nosso ser, de forma a ficarmos conscientes sobre como ambos atuam.

Ao final, vocês podem escolher entre utilizar um ou o outro e verificarem vocês mesmos os seus efeitos em suas vidas, lembrando sempre que o objetivo da alma não é negar ou fazer desaparecer a personalidade ou ego, mas iluminá-lo e torná-lo um instrumento a serviço da própria alma em sua jornada.


EGO X ALMA

1) O ponto de vista do EGO é sempre EGO-ÍSTA. O ego só pensa nele próprio, ele não leva em consideração o ponto de vista do outro, mas o exclui, pois somente ele é quem importa. A ALMA é sempre ALTRUÍSTA, sendo assim, sempre leva os motivos do outro em consideração; a alma jamais irá prejudicar uma pessoa ou querer levar vantagem sobre ela, mas ajudá-la na sua evolução sempre que possível. Altruísmo também é a possibilidade de agir de forma desinteressada, algo impossível para o ego, pois suas atitudes visam sempre um interesse. Generosidade é um atributo da alma.

2) O EGO é COMPETITIVO. Ele quer ser sempre o melhor: O mais bonito, o mais inteligente, o mais amado, o mais elogiado, o mais importante, mais bem-sucedido... Ninguém pode estar acima do ego, somente abaixo, e é dessa forma que ele vê os outros. Já a ALMA é INCLUSIVA por natureza, e se ela busca o melhor para si mesma, não é por isso que deixará de desejar o mesmo para o outro. A felicidade da alma é ver o seu semelhante bem da mesma forma que ela.

3) O EGO é passível de MÁS INTENÇÕES. Ele não hesitará em desbancar aquele que considera seu rival em potencial; poderá ser capaz das armações as mais vis para alcançar seu objetivo de derrotá-lo, e o sentimento que poderá mover o ego nestes momentos é a inveja, a cobiça, o ciúme, dentre outros. A ALMA é PURA em suas INTENÇÕES. Apesar de passível de erros, ela não age de forma a racionalizar e premeditar uma maldade, por isso as intenções da alma são sempre positivas e livres de segundas intenções. Honestidade é uma característica própria da alma.

4) O EGO é RANCOROSO. A ALMA sempre PERDOA. Como não permite ser contrariado, se isso acontece, o ego pode sentir-se ofendido e rancoroso em relação a quem lhe causou a ofensa, guardando-a, remoendo-a e até mesmo vingando-se do seu "algoz". A Alma jamais guarda rancor. Apesar de poder sentir-se desrespeitada e magoada, a alma sempre perdoará o ofensor já que tem uma enorme capacidade de compreensão dos motivos do outro e das suas limitações.

5) O EGO é passível de MENTIRA. A ALMA é uma BUSCADORA da VERDADE por excelência, por isso sempre usará da franqueza e da sinceridade em todas as suas relações. O ego não vacilará ao enganar para negar sua responsabilidade perante os fatos ou levar vantagens sobre os objetos de seus desejos.

6) O EGO é CORRUPTÍVEL. A palavra ética é dissonante quando o ego encontra uma forma de realizar suas ambições, geralmente ligadas a poder, sexo e dinheiro; como ele somente quer satisfação de seus próprios desejos, fará de tudo para que eles sejam realizados, ainda que de uma forma um tanto ao quanto imprópria. A ALMA é INCORRUPTÍVEL. Ela também tem vontade de evoluir, prosperar, ter sucesso em seus empreendimentos e ter relacionamentos satisfatórios e felizes, mas nunca irá passar por cima de seus valores e de sua ética para vê-los satisfeitos. Ela preferirá um momento mais oportuno quando sentir que as sementes não podem ser ainda plantadas ou os frutos colhidos. Ela esperará por uma melhor ocasião, e abrirá mão do que não condizer com seus princípios, pois preferirá colocar a cabeça em seu travesseiro e dormir um sono tranquilo em sua consciência.

7) A ALMA é CORAÇÃO. Ela sempre "pensará" com o coração. Conectada que é com seus sentimentos e valores, não deixará de utilizar este poderoso sensor para se direcionar nos caminhos da vida, para poder tomar as decisões mais cabíveis de forma a manter o seu próprio equilíbrio. O EGO evita usar o coração, geralmente ele usa a RAZÃO para tomar as suas atitudes; sendo assim, encontrará sempre um motivo razoável (e egoísta claro) para justificar as suas ações, ainda que prejudiquem alguém, além dele mesmo.

8) A ALMA age com CONSCIÊNCIA. A INTENCIONALIDADE de suas ações será sempre muito bem pesada, a AÇÃO será sempre RESPONSÁVEL medindo-se os prós e contras em relação ao que as suas ações podem acarretar, não somente para si, mas também para o seu semelhante. O EGO geralmente age de forma INCONSCIENTE, movido pelas suas próprias projeções que vê refletidas nos outros e pela força das ilusões.

9) Não é à toa que o EGO é muito mais SUSCETÍVEL AO SOFRIMENTO do que a alma, pois agindo de forma inconsciente, ele também cria carma que irá atingi-lo de forma inexorável, levando-o ao crescimento. A ALMA, uma vez ancorada, aprenderá a não mais sofrer, apesar de poder sentir DOR, porque AGE POSITIVAMENTE e porque as suas ESCOLHAS são DESAPEGADAS dos desejos do ego.

Continue lendo...

Author: Maíra
•09:06

Recebi esse texto por email. É de autor desconhecido, como a maioria dos textos que rodam a internet. Mas achei tão lindo e verdadeiro e resolvi postar aqui.

Saudade, é quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue.

Lembrança, é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo.

Preocupação, é uma cola que não deixa o que ainda não aconteceu sair de seu pensamento.

Indecisão, é quando você sabe muito bem o que quer,mas acha que devia querer outra coisa.

Intuição, é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido.

Pressentimento, é quando passa em você um trailer de um filme que pode ser que nem exista.

Vergonha, é um pano preto que você quer para se cobrir naquela hora.

Ansiedade, é quando sempre faltam muitos minutos para o que quer que seja.

Interesse, é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento.

Sentimento, é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado.

Raiva, é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes.

Tristeza, é uma mão gigante que aperta seu coração.

Felicidade, é um agora que não tem pressa nenhuma.

Lucidez, é um acesso de loucura ao contrário.

Razão, é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato.

Amizade, é quando você não faz questão de si mesmo e se empresta para os outros.


Lindo, né? Foram as melhores traduções que eu ja vi para essas palavras.


Beijos!

Maíra.

Continue lendo...

Author: Maíra
•18:16

“Silenciar sobre os defeitos dos outros é caridade

Silenciar sobre sua própria pessoa é humildade.

Silenciar diante do sofrimento alheio é covardia.

Silenciar quando o outro está falando é delicadeza.

Silenciar quando o outro espera uma palavra é omissão.

Silenciar quando não há necessidade de falar é prudência”.


O silêncio, muitas vezes, tem um poder muito maior de trazer resultados numa relação do que falar e expor os fatos que a todos incomodam. Saber a hora de calar é compreender a necessidade de reflexão, mas identificar a hora certa de falar ou calar é que trará luz aos fatos.

Sem dúvida podemos afirmar que quando ignoramos esse "momentum" podemos interferir inadequadamente na vida e também nas condições físicas, emocionais e psicológicas de todos os envolvidos.Sempre existe uma causa para um comportamento inadequado e errar é inerente à toda natureza humana, é inclusive necessário para nosso aprendizado na vida; só evoluimos através dele.

A decadência de um relacionamento começa quando não conseguimos mais enxergar nada de positivo no outro, quando não há mais respeito mas, principalmente, "quando não existe intenção e boa vontade de um dos parceiros em relevar os aspectos negativos do outro, considerando somente as qualidades positivas e atrativas". Permanecer nessa situação de "total falta de comunicação” leva as pessoas à depressão e a atitudes de desespero.

Qualquer forma de expressão é mais saudável que a tortura de conviver com o silêncio do outro. Diz a canção: “dói mais teu silêncio do que tua agressão". Somos todos muito diferentes e nos iludimos achando que existe a "tampa da nossa panela", mas bastam alguns segundos de conversa entre duas pessoas para constatarmos que a percepção da realidade de uma é diferente da outra. Cada um de nós tem uma verdade e se a considerarmos sob uma “percepção rígida e inflexível" ofuscaremos qualquer possibilidade de compreender a do outro. Para muitos "tentar essa compreensão" significa perder sua identidade, se anular, se diminuir. Um grande filósofo já disse: "Você quer ter razão ou prefere ser feliz?"

Evitaríamos muita coisa nos calando, silenciando, mas muita coisa também seria evitada se falássemos, se nos comunicássemos, se tivéssemos diálogo e consideração pelo outro. Esse silêncio inoportuno, na hora errada, é também uma forma de violência. É uma situação velada que não causa tanto impacto na sociedade quanto a violência física, por não existir manifestação explícita e aparente de agressão, porém é uma realidade tão cruel quanto a outra; a diferença é que a segunda deixa marcas visíveis, contudo na primeira, as feridas podem ser mais profundas e perigosas, porque se trata de uma violência emocional. A violência emocional destrói a auto-estima do outro. A agressão verbal é uma violência também, mas é real, concreta, deixa para o outro uma oportunidade de "concluir algo e de ter uma referência".

O silêncio indiferente ou a simples ausência de diálogo, é a omissão de um comentário ou argumento esperado para o momento e, portanto, machuca muito mais.Nesse tipo de violência também acontecem a depreciação da família e do trabalho do outro. Esclarecer e aceitar as diferenças é aceitar a verdade do outro, é admitir o nosso equívoco diante de uma realidade: "as diferenças não atrapalham a convivência"! Elas, em certos momentos, nos aproximam justamente porque nos afastam da rotina. É o que geralmente acontece quando se inicia uma nova relação. Quando os relacionamentos começam, são essas diferenças que "fascinam" os parceiros. A novidade e a surpresa provocam uma vibração que motiva e colore a relação, porém, quando é necessário conviver com elas rotineiramente, não resistimos e calamos, silenciamos.

Amor se demonstra em atitudes concretas. Mesmo com todas as dificuldades da vida, quando ainda existe respeito, perseverança e disposição de compreender, alegria em compartilhar, vemos os dias seguirem com o fortalecimento dos laços que unem um casal. É no dia-a-dia que se solidificam os relacionamentos. Sentimentos que não são traduzidos em atos não alcançam o outro e quando nossas atitudes demonstram mais ressentimento e indiferença que afeição ficamos atordoados, sem chão. Lembre-se: amor, atenção, carinho e amizade não se pedem. Apenas se recebem. Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente bem-vindo, que se sente inteiro e que ouve isso do outro.

O silêncio é plenitude de comunicação. Evitar o silêncio negativo do mau-humor, da agressividade, do desgosto, da raiva e, principalmente, da “ausência”, é demonstrar sensibilidade, afetividade e respeito. O silêncio quando é amor, fala e quando é desamor, agride. O ato de falar e o de calar precisam um do outro, pois quem fala quer ser ouvido e para ouvir é preciso calar. Vamos aprender a arte de silenciar só por amor!

A Oração da Serenidade fala em aceitar as coisas que não podemos modificar e essa aceitação não deve ser confundida com a indiferença.


Oração da Serenidade:

Concedei-nos, Senhor,a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar,coragem para modificar aquelas que podemose sabedoria para distinguir umas das outras.

Amém!

Continue lendo...

Author: Maíra
•08:08
O texto a seguir foi escrito por Paulo Almeida, também conhecido como "Dr. Andros". Ele escreve para a " Revista Andros", uma revista virtual. "Uma revista sobre homens, feita por homens, para mulheres" ( http://www.revistaandros.com.br/index.html ).

Dr. Andros tem um humor ácido, inteligente e muito verdadeiro. Escreve para as mulheres, mas adverte que as muito sensíveis podem podem não gostar...rs. Eu virei fã dele! E olha que me considero sensivel... Pedi permissão para transcrever alguns dos seus textos no Blog e ele muito gentilmente me deu. Então, aí vai o primeiro!

Divirtam-se!



Maíra.



Assuma um compromisso de começar o seu dia com uma piada. Pode ser lida, ouvida, ou melhor, contada, porque fazer rir também é um santo remédio contra os males da vida. Sorria. Nem que seja a "boba que ri o tempo todo", seja feliz. E quando não tiver nada para te alegrar, lembre-se das loucuras que viveu, das vezes que pagou mico, enfim, divirta-se com o seu passado, mesmo que ele fique ali, bem escondidinho na sua mente, longe de todos.

Mas não basta apenas sorrir porque o êxtase da alegria é a gargalhada.
Compre um livro de piadas e aposente de vez aquele seu livrinho de "Sabedorias" - aquele que você abre e escolhe qualquer página e lê uma mensagem de incentivo: "Se te jogarem pedras; construa um castelo" .

De agora em diante seu livrinho só terá uma página para ler: SEJA FELIZ!

Derrube o arrogante com um sorriso.
Derreta aquele coração frio do seu chefe com um sorriso de "bom dia", porque ninguém, por pior que possa estar na vida, por mais ranheta que seja, dificilmente responderá um sorriso com uma cara feia. E mesmo que ele se mostre arrogante, quem sabe com esse pequeno gesto tenha dado a ele uma nova chance de mudar, fazer algo que há muito tempo havia se esquecido: de ser gentil.

Não se deixa levar pelo elitismo de acreditar que comédias são para gente boba. E nada de assistir apenas a aquelas rotuladas de "humor inteligente". Sim, elas também são legais, mas o bom mesmo é aquela coisa de não conseguir controlar o riso, de rolar no chão e gargalhar até dar vontade de fazer xixi.

Cacete, mas isso sim é que é massagear a alma.

Então, corre agora e alugue as comédias mais chulas e ridículas possíveis. Vale assistir "Todo Mundo em Pânico", "Os Espartalhões", "American Pie", “Porkys”, toda coleção de Mel Brooks, Jim Carrey, Eddie Murphy, enfim, tome uma dose cavalar de besteirol.

Rir é o melhor remédio que existe, por isso se você esta triste de nada adianta alimentar essa tristeza. Use o melhor antídoto, jamais aumente a dose do veneno que te faz azeda e amargurada. Aliás, aprenda a fazer graça até com as piores situações que estiver vivendo. Pode não resolver, pode não te ajudar a arrumar uma grana para pagar o aluguel atrasado, mas fará com que passe por tudo com muito mais facilidade.

Uma vez dois colegas estavam cruzando uma avenida bem larga, quando começou a chover e eles ficaram presos no meio das duas vias, sem abrigo, com carros passando de um lado para o outro. Um deles, o mais jovem, começou a reclamar, e conforme a chuva apertava mais ele se irritava e amaldiçoava o temporal. O outro, mais velho, como sabia que não tinha o que fazer, permaneceu calmo e até riu da situação, porque o outro, em seus ataques de fúria, beirava o ridículo. Quando finalmente conseguiram atravessar a avenida, o mais jovem estava encharcado e extremamente irritado.

O mais velho estava apenas encharcado...

A alegria sempre andará junta com o otimismo - principal ingrediente para o sucesso.
Até mesmo nos momentos em que nada der certo, quando bater aquela vontade de chorar, deixe que as lágrimas rolem, mas não permita que a angústia invada sua alma. Sim, lembre-se que você é uma otimista, e que boa parte desta sua crença no melhor não é porque "acha" que tudo vai se resolver. Na verdade você já começou a trabalhar, já levantou a cabeça em busca de uma saída, por isso não se trata de achar, mas de uma mera questão de tempo.
Tristeza só serve como uma cruz que você não precisa carregar...Então, deixe esse desperdício de lado, pare de se sabotar suas forças.

A luz afasta as trevas.

Quer se livrar daquela amiga "maníaca-depressiva", que vive reclamando da vida? Então continue rindo, porque esse tipo de gente foge da felicidade como o diabo corre da cruz.
"Oras, afaste de mim essa alegria, porque o que eu quero é saber de gente como eu: triste e amargurada."

Sim, o melhor é que vai se livrar deste bando de gente negativa sem precisar brigar, sem enfrentamentos, porque sua maior arma será o bom humor.

Um homem babaca, do tipo controlador, dificilmente conseguirá viver com uma mulher alegre. E mesmo que isso ocorra, que ele resolva te colocar no seu lugar, enfim, fazer de você uma "mulher adestrada", estar de bem com a vida, radiante e bem resolvida, será a sua salvação.
Sim, porque a tristeza emburrece, faz com que mulheres permaneçam presas à homens machistas e canalhas.

Agora, a alegria é inteligência, é o desejo de liberdade, é a grandiosa capacidade de se rebelar contra tudo que tenta controlá-la. Por isso que o humor pode ser escrachado, cínico, sarcástico, enfim, pode ser tudo aquilo que acaba com o orgulho de qualquer dominador...
Na época da ditadura, quando não se podia falar de nada "sério", as pessoas inventavam piadas, ridicularizavam o regime militar, e nada do que eles fizessem podia impedir essa revolta. E o mesmo vai ocorrer com qualquer homem que tente dominá-la, porque lá de longe, de onde só poderá se lamentar, de uma coisa ele terá total certeza:

De que a maior piada foi ele acreditar que seria capaz de apagar sua luz.


Paulo Almeida

Continue lendo...

Author: Maíra
•07:51
“Eu tive um sonho. Vou te contar. Eu me atirava do oitavo andar”.
(Kid Abelha)


A realidade é dura. E essa é uma frase que a sua mãe deve ter lhe dito muitas e muitas vezes. E se não foi ela, foram, com certeza, outros dos seus parentes mais próximos. Lembro-me até hoje das frases que eu escutava na infância: “você pensa que a vida é moleza?”, “tem que ralar muito pra conseguir alguma coisa” e por aí afora. O que eu percebo hoje, anos depois de ter saído da infância, é o quanto elas ainda fazem parte da minha verdade.

Como é complicado aceitar que as coisas poderão vir de maneira mais fácil. Tente fazer esse exercício: pense em algo que queira muito, mas que lhe pareça impossível como um carrão ou uma viagem. Agora, imagine-se dirigindo esse carro ou no avião rumo a essa viagem. Conseguiu? Se você conseguir, o que já será um grande feito, comece a escutar as vozes. As vozes que dizem que você só pode ser maluco de estar pensando naquilo. A voz que até o deixa com um pouco de vergonha de estar sendo tão pretensioso e querer uma coisa que, definitivamente, não é para você. Elas virão aos montes, basta que você tenha, como diria o poeta, ouvidos de escutar. Elas acabarão com você em menos de 30 segundos e levarão a sua auto-estima pro chão. Elas são eficazes e muito boas no seu trabalho.


As vozes que acabam com os nossos sonhos

Bem, se não conseguirmos nem sonhar, o que dirá realizar. Para muitas pessoas os sonhos são coisas inúteis, que não servem para nada. Até a palavra “sonhador” é muitas vezes utilizada de uma maneira pejorativa. “Você sonha demais, vá trabalhar!”. Aposto como muitas pessoas criativas e diferentes em seus estilos já escutaram essa frase. Quem já ouviu o relato de vida do fundador da Honda sabe do que eu estou falando. Ele ergueu e perdeu seus negócios muitas vezes, mas continuou sonhando que, um dia, tudo daria certo. Resultado: ele é o fundador da maior fábrica de motocicletas do planeta. Se ele escutasse as vozes, as internas e as externas, com certeza não teria chegado a isso. E quantos e quantos livros de relatos de pessoas sonhadoras que deram certo existem? Quantos sonhadores não fizeram com que o mundo fosse, de verdade, um lugar melhor? A energia elétrica, o carro, o telefone, tudo isso são obras de sonhadores. Sonhadores levados a sua última expressão de palavra. E, se tivessem escutado as vozes, com certeza, não teríamos nada disso.

Como calar as nossas vozes?Ignorando. Sei que parece uma coisa simples, mas não é. Tente simplesmente ignorar a existência dela. Ignorar os pensamentos negativos, como se eles não existissem, até o dia em que eles desistirem de você. Quem já fez ou faz meditação trabalha exatamente assim. Deixa a mente livre, mas continua ouvindo os pensamentos porque eles não irão se calar tão fácil. Com o tempo eles cansam e vão se calando, até o dia em que uma pessoa consegue meditar por muito tempo, e até horas, sem que nenhum pensamento (positivo ou negativo) a atrapalhe. Simplesmente mantendo a mente límpida, como de um bebê que acaba de vir ao mundo.

A meditação, no caso dos nossos pensamentos negativos, deve ser vigilante e constante. Identifique esses pensamento negativos, essas vozes, e as cale para sempre. No começo elas virão firmes e cada vez tentarão gritar mais alto. Aí você deve parar, respirar bem fundo e dizer “Ah, eu não ligo para vocês, podem continuar falando aí”. Ignore mesmo. De coração. Não acredite nelas. São vozes mentirosas que, de tão fortes, às vezes até acabam saindo da boca de outra pessoa. Quantas vezes você já ouviu da vizinha, ou da caixa do supermercado, exatamente aquilo que estava passando nos seus pensamentos? Gente, isso não é um sinal, é só uma maneira que seus próprios pensamentos negativos encontraram de aparecer. Não dê bola para eles. Tenha esse compromisso com você.


Realizando sonhos

E só então, com essa vozes amordaçadas, você começará a realizar os seus sonhos. Não que eles não necessitem de esforço e de trabalho, mas será um esforço descansado, sem pressão. Será uma coisa que você faz por prazer, por querer ver o resultado daquilo de uma maneira clara. Quando sabemos o que querermos e nos damos o direito de sonhar com elas a mágica acontece. A mágica das sincronicidades, a mágica das coincidências e das pessoas certas que atravessam o seu caminho. No Universo tudo é energia. E atraímos aquilo que desejamos e que sonhamos de verdade, no fundo do coração, sem nenhum tipo de interferência. Então, mantenha um compromisso com você: sonhe. Sonhe muito, de olhos bem abertos. Com os pés no chão e a cabeça nas estrelas.

Continue lendo...

Author: Maíra
•09:58
Recentemente fui convidada a dar uma entrevista num programa de TV local, junto com um amigo, Joaquim Diegues, cirurgião plástico, para falar sobre um distúrbio que está se tornando, infelizmente, cada vez mais comum. A chamada Dismorfobia Corporal, ou “Feiúra Imaginária”, ou ainda " Síndrome do patinho feio".
Abaixo reproduzo um texto bastante informativo sobre o assunto e incluo os vídeos da entrevista. Incluo também um pequeno teste que pode ajudar no diagnóstico do distúrbio. Se por acaso algum leitor se identificar com as características citadas ou conhecer alguém que se encaixe nesse perfil, por favor, busquem ajuda profissional o mais rápido possível!


Um abraço.


Maíra.


Vítimas da dismorfobia sofrem vivendo uma eterna insatisfação com a própria imagem.
O dado mais claro para mostrar a preocupação excessiva do brasileiro com a aparência é da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica: em 2000, 350 mil pessoas no País se submeteram a operações com finalidade estética. O fenômeno não faz crescer o movimento apenas nos consultórios de cirurgiões plásticos. Psicoterapeutas e psiquiatras que cuidam dos distúrbios relacionados à insatisfação com a forma física vivem, hoje, com agenda lotada.

Além de transtornos como anorexia e bulimia, passam a tratar a dismorfobia, um medo da alteração de alguma parte do corpo. Na maioria dos casos, essa imagem vista no espelho não condiz com o real. O que se vê recebe uma lente de aumento. Por isso, a dismorfobia também é conhecida como feiúra imaginária. "São magros que olham no espelho e se enxergam bem gordos. Ou mesmo gente bastante bonita que só identifica seus defeitos", analisa o psicanalista George Lederman.

Ele revela que uma das causas seria uma falha na construção da identidade, surgida já na infância. "O que cria uma insatisfação constante consigo mesmo. Há uma eterna necessidade de mudança", diz Lederman. Para exemplificar, o mutante Michael Jackson é citado pela psicoterapeuta Alda Batista como o caso mais extremo. "O desconforto com a própria imagem é tanta que o faz mudar o tempo todo. Ele não pode se construir, definindo um papel, porque está sempre se lançando na eterna busca pela forma ideal", explica Alda. "O mais complicado é ser um ídolo para adolescentes. Nessa fase, estamos muito suscetíveis a opinião dos outros. Podem achar que o caminho mais fácil é se modificar com plásticas o que não está achando bom", completa ela.

O que deve ficar claro, de acordo com os especialistas, é que mesmo depois de um procedimento cirúrgico, alguém que sofre com a dismorfobia não fica satisfeito. "Porque não estamos lidando com o real, e sim com uma distorção grave, o que leva a um transtorno compulsivo-obssessivo", observa o psiquiatra Everton Botelho. Quem passa por esse problema, começa a gastar muito tempo no espelho,observando a deformidade que ela considera tão relevante. "Além de analisar demoradamente a falha, há uma obsessão em escondê-la. Se for uma orelha de abano, a pessoa deixa o cabelo crescer, ou até mesmo pára de sair", conta o médico.

A sensação de vergonha e inibição causa um grande impacto no comportamento, podendo limitar a vida social. "Vejo dois caminhos possíves para tratá-la. Um seria a prescrição de anti-depressivos que agem de forma seletiva, aumentando a serotonina", indica Botelho. Quando há alteração dessa substância, o indivíduo estará, fisicamente, predisposto a focalizar sua ansiedade para o corpo. A outra é a psicoterapia."

Utilizando argumentos lógicos, o psicólogo questiona o paciente de onde tirou a idéia sobre a deformidade. "Se há um problema físico, de fato, claro que vai haver a indicação da cirurgia. Quando tudo se passa só na cabeça de quem desenvolveu essa fobia, uso a psicoterapia. Levamos cerca de um ano para trabalhar os significados desses medos com o paciente", argumenta Alda Batista.

Nas sessões de psicoterapia, é trabalhada a identidade, investigando as relações com os pais e alguns traumas originados na infância. "É um processo de percepção da própria identidade, sem um tempo determinado para que ela se complete", finaliza Lederman.

Phelipe Rodrigues



Teste


1.Você se preocupa demais com seu físico?
( ) sim ( ) não

2. Acredita ter alguma parte do corpo “deformada” ou “anormal”?
( ) sim ( ) não

3. Sente-se angustiada com sua suposta feiúra?
( ) sim ( ) não

4. Pequenas imperfeições assumem grande proporção diante do espelho?
( ) sim ( ) não

5. É exageradamente perfeccionista, tímida, ansiosa ou sensível a rejeições?
( ) sim ( ) não

6. Já operou alguma parte do corpo e permaneceu insatisfeita?
( ) sim ( ) não

7. Apresenta enorme constrangimento ou ansiedade se precisa exibir uma região corporal que considera estranha? Ou faz todo o esforço para escondê-la?
( ) sim ( ) não

8. Percebe que é obcecada por sua imagem, mesmo sabendo que, racionalmente, não há razão
para isso?
( ) sim ( ) não



Segundo o cirurgião plástico José de Faria (RJ), que elaborou esse teste, a partir de 4 respostas “sim” há chance de a pessoa ser portadora do transtorno. “Nos quadros mais graves da dismorfobia, provavelmente todas as respostas serão positivas”, conclui ele.

video

video

Continue lendo...

Author: Maíra
•07:34
A grande maioria das pessoas que vem por conta própria em busca de um tratamento psicológico tem a certeza de que está passando por algum tipo de crise. Mas que tipo der crise poderia ser esta?

Na história e na crescente formatação da consciência humana, podemos notar que o indivíduo permanece incessantemente entrando e saindo de espaços fechados, todos configurados em meio a diversas leis e sistemas. Se a pessoa não está dentro de um contexto familiar, está dentro de um contexto de trabalho ou em alguma outra situação sócio-cultural que o requisite num estado padronizado de manifestação que interage e modifica a sua biografia pessoal. É deste modo que podemos observar o movimento que gera o aprisionamento do nosso ser essencial em uma trama que, ao atar, cega.

O mais triste deste estado é que o cegar vale tanto para uma visão mais acurada sobre a realidade externa, como também para uma visão interior. A crise, portanto, acontece quando o indivíduo passa a se dar conta de que não se entende nos vários sentimentos e sensações a que é acometido. Sente uma ruptura no sentido da vida.

Muitos se queixam de terem dificuldades para dizer um não ao mesmo tempo em que outros se observam extremamente impacientes e até violentos em determinadas situações. O que todos estão falando é que algo acontece dentro de si mesmos que resulta em algum tipo de manifestação não satisfatória e sem controle do próprio eu.

Outra queixa comum daqueles que se percebem em estados mais depressivos é a falta de ação, mas mesmo neste estado de aparente não ação, exacerba-se mais uma amostra de um tipo de manifestação também sem controle. Notem que quando abordamos a palavra controle, não é referente ao controle que estamos acostumados a viver ou a ouvir por aí, estamos falando da presença do Eu lúcido em qualquer situação que estamos criando ou à qual podemos ir de encontro.

Sabemos que processos vivenciados dentro de uma psicoterapia auxiliam o indivíduo a entrar em contato com os aspectos que o estruturaram e que, dentro deste processo, a pessoa tem a oportunidade de se observar e de se transformar. Isto gera a possibilidade de um reconhecimento perceptivo a respeito de nós mesmos e dos possíveis motivos que chegaram a nos distanciar de quem realmente somos. Acontece que num processo gradativo a nossa percepção pouco a pouco acaba sendo minada. Passamos a achar normal uma vida medíocre sem grande entendimento sobre nós mesmos. Achamos que é normal corrermos atrás de uma ganância desenfreada alimentada por uma competição atroz. Pouco a pouco perdemos a referência de quem somos e o pior é que passamos a achar que a baixa qualidade de prazer que temos na vida é normal.

Não nos apropriamos de nós mesmos e como conseqüência deixamos de existir como consciências quânticas que somos, passando a funcionar num limiar muitíssimo baixo. De repente, porém, este nosso Si Mesmo passa a desconfiar de que algo não vai bem ou que talvez poderia estar melhor. Este é o precioso momento onde o indivíduo tem a chance de se resgatar, de se ganhar de volta. Nesta hora percebemos que tudo poderia ser diferente do que está, começamos a entrar em contato com várias das nossas questões que são emergenciais para que nos atualizemos como existências completas.

Percebemo-nos em crise. O exagrama chinês de crise é composto de dois caracteres, um representando o perigo e outro a oportunidade. Notamos que falta a percepção do por que estamos funcionando de modo tão insatisfatório há tanto tempo... É lógico que temos toda uma história por trás que construiu e que ainda constrói tanto os nossos pensamentos, como a maneira de nos compreendermos como entidades dentro de toda esta trama. Isso inclui todas as nossas possibilidades de ação até o presente momento.

Fazendo um recorte histórico, podemos observar algo sobre parte desta construção de nós mesmos que se passou entre a Primeira e Segunda Guerra Mundial, o que houve no antes e no depois, só para dar um pequeno exemplo evidenciando como foram se construindo as nossas "pseudoverdades": - Desde o final da Segunda guerra mundial a sociedade vem "evoluindo" em ordenação de serviços, em ordenações psico-lógicas. Ordenações absolutamente necessárias para a tentativa de organizar-se no caos instalado nesta época de pós-guerra. Em nome de se deter vários tipos de doença, o processo de higienização enunciado no início do século passado, devido a doenças contagiosas resultantes de constelações familiares atípicas dentro dos padrões atuais, pôde ter um desenvolvimento mais efetivo. Deste modo a estrutura familiar como a concebemos nos dias de hoje, teve um maior respaldo para se configurar no mundo como uma verdade importante e absoluta a ser vivida. Indivíduos buscando segurança em diversos níveis passaram a compactuar com vários tipos de crença desta matriz, acreditando ser a estrutura familiar como a conhecemos, a forma ideal para se viver. Então, em nome de se deter as doenças transmissíveis e também de cuidar do tipo de patrimônio gerado pelo capitalismo, as famílias passaram a funcionar de modo monogâmico. Notem que nada temos contra as estruturações familiares monogâmicas, assim como nada temos contra as estruturas poligâmicas, etc, etc, apenas estamos como observadores destas organizações, verificando também o desenvolvimento do psiquismo e da crença humana de acordo os diversos tipos de sistemas vigentes.

A formatação, o viver dentro de determinados conceitos, leva ilusoriamente o indivíduo a sentir que pode controlar tudo... o que, como sabemos, é um paradoxo. Não dá para se controlar nada enquanto formos frutos inconscientes de um controle. Temos nos trabalhos também determinados padrões de controle, na área da ciência outros grupos de controle e assim por diante. No final das contas todos vivem como se fossem funcionários de uma grande indústria, onde o pensamento global de uma arrecadação maior gera pensamentos locais de arrecadações individuais, tudo na inconsciência, longe do que é de fato o Ser.

Em outras palavras, cada um pensa em si, mas está preso a um pensamento maior. O próprio pensamento não advém das necessidades básicas e pessoais, mas sim da construção gerada pelo corpo maior que dá a ilusão de uma base que sempre será faltante, por isso a busca frenética do ter. Mas isso tudo também é uma construção que não tem nada a ver com a realidade interna do indivíduo. Somos os atores de nós mesmos, por isso é que necessitamos saber com clareza de que modo estamos atuando e sendo a cada instante, podendo assim desenvolver as nossas habilidades, tornando-nos os senhores criadores das nossas realidades com maior consciência, deixando de sermos autômatos conscienciais, ou seja, sem a percepção lúcida de nós mesmos.

A proposta é o agir de modo simultâneo, porém extremamente consciente, ora como participantes ativos inseridos dentro de um suposto contexto, ora como observadores, porém sem jamais nos perdermos novamente daquilo que somos em essência.

Ao longo dos nossos estudos, temos notado o importante auxílio, suporte e complementação que a Psicologia, têm oferecido. A meditação também passa a ter importância definitiva no movimento de conhecimento e transformação pessoal. É por intermédio da meditação que a pessoa pode passar por alguns estágios em que seu complexo bioenergético fica totalmente ativado pela energia vital gerada e, de acordo com os nossos estudos, já sabemos que esta pessoa obterá um novo impulso que facilitará sobremaneira sua transformação pessoal em vários níveis; estando muito mais dinamizada e fortalecida para conseguir aprofundar-se em si mesma, podendo se transformar de modo mais autoconsciente e centrado.

Silvia Malamud

(Texto transcrito do site Somos todos Um.)

Continue lendo...

Author: Maíra
•12:42
Resiliência é a capacidade concreta de retornar ao estado natural de excelência, superando uma situação crítica. Segundo dicionário Aurélio, é "a propriedade de pela qual a energia armazenada em um corpo deformado é devolvida quando cessa a tensão causadora de tal de formação elástica”.

Resiliência é um termo ainda pouco conhecido. Na verdade, este é um conceito da Física e da Mecânica para definir materiais com “capacidade de retomar a forma original após ser encurvado, comprimido, esticado”. É como a mola que após ser comprimida, primeiro se expande e depois volta à sua forma original. Ou como o bambu que se dobra com a ventania, porém não se quebra. A vara do salto em altura também se enverga ao máximo sem quebrar e ainda armazena energia para lançar o atleta para o alto. A idéia de resiliência pode ser comparada às modificações da forma de uma bexiga parcialmente inflada. Se comprimida, pode adquirir as formas mais diversas e em seguida retorna ao estado inicial.


A nível psicológico, o termo Resiliência significa a capacidade humana de superar tudo, tirando proveito dos sofrimentos, inerentes às dificuldades. “A capacidade de resiliência explica o porquê algumas pessoas que sofrem situações dolorosas, ao invés de se tornarem apáticas, revoltadas ou agressivas, conseguem superar as adversidades e se convertem em pessoas ainda melhores e mais saudáveis.”, define a Dra. Ceres Araújo, psicóloga e professora da PUC-SP.
Esse conceito é trabalhado em todas as áreas como saúde, finanças, indústria, sociologia, e psicologia. Embora seja um assunto muito recente entre nós, já é trabalhado à anos na América do Norte, com sucesso.

“ É A ARTE DE TRANSFORMAR TODA ENERGIADE UM PROBLEMA EM UMA SOLUÇÃO CRIATIVA”
GRAPEIA/2004

Segundo o poeta chinês Bai Juyi (803 DC), as qualidades do bambu são um exemplo de comportamento humano superior: diante da tempestade, o bambu se curva, mas não se parte, retornando à forma anterior após passada a tormenta. Um símbolo de resiliência. Seu caule oco representa a mente aberta. Ou seja, para desenvolver resiliência é fundamental estar aberto a mudanças de comportamento.

O equilíbrio humano é como a estrutura de um prédio, se a pressão for maior que a resistência, aparecerão rachaduras como doenças psicossomáticas que se manifestam nos indivíduos que não possuem esta característica ex: gastrite entre outras.

O ser humano resiliente desenvolve a capacidade de se recuperar ,e de moldar– se novamente a cada obstáculo e a cada desafio. Essas pessoas recuperam-se e se moldam a cada “deformação” (obstáculo) situacional.

Quando mais resiliente for o indivíduo maior será o desenvolvimento pessoal, isso torna uma pessoa mais motivada e com capacidade de contornar situações que apresentem maior grau de tensão.

Um indivíduo submetido a situações de estresse que tem a capacidade de superá-las sem lesões mais severas (“rachaduras”) é um resiliente. Já a pessoa que não possui este perfil é o chamado "homem de vidro", que se "quebra" ao ser submetido às pressões e situações estressantes.

Se sabemos que esta capacidade existe nos seres humanos, por quê nos parece algumas vezes tão difícil acessá-la dentro de nós? Diante de uma situação de profunda dor, decepção ou perda, achamos que não vai ser possível enfrentar. É aquela sensação de sentir-se derrotado, deprimido, como se por dentro estivéssemos sangrando. Algo se rompeu e parece que nunca mais seremos os mesmos. Como lidar com estes revezes sem nos tornarmos pessoas amargas ou até revoltadas com a vida?

Em primeiro lugar, a aceitação. Aceitar que o caminhar pela vida não é muitas vezes andar pelo caminho reto e asfaltado. Nos deparamos frequentemente com pistas estreitas de mão dupla, não asfaltadas, subidas íngremes, buracos e obstáculos pela frente, um verdadeiro rally. Saber que dificuldades e mudanças inesperadas são oportunidades de crescimento nos coloca num outro ângulo de como encarar dificuldades.Aceitação, no entanto, não significa passividade. Diante do inesperado, é preciso encontrar forças para agir. Isso não quer dizer que não podemos ficar tristes ou sentir medo. Todos nós temos nossas fragilidades, toda mudança provoca em nós uma rejeição em primeira instância. Mudanças e adversidades geram insegurança, medo e desejo de manter tudo como está. Mas a vida nos pede mais, nos pede para sair da nossa zona de conforto para ativar dentro de nós uma força extra, talvez ainda desconhecida, que nos pede para lutar contra nossos medos e inseguranças para o nosso próprio crescimento.Fingir que um problema não existe não vai resolvê-lo; ignorá-lo vai torná-lo cada vez maior, por isso a necessidade de sairmos da tentação de ficarmos parados ou fingir que nada está acontecendo e partirmos para o enfrentamento, sabendo agir com ética e consciência do que é esperado de nós.

Existe dois tipos de indivíduos, aqueles que nascem e os que se tornam resiliêntes.Todos nós podemos nos tornar resiliêntes.
A psicologia já tem estudos para saber que a resiliência pode ser desenvolvida, ou seja, não é privilégio de alguns ter nascido com essa habilidade para lidar com dificuldades, enquanto outros sofrem e se desesperam diante de certas situações. E quais seriam as formas de desenvolver resiliência?Pretel Job estudou testemunhas do holocausto e descreveu algumas características comuns às pessoas resilientes. Uma das principais características é a auto-estima. Quando temos consciência do nosso valor como pessoa, tudo fica mais fácil. Saber quais são nossas qualidades (e limitações), acreditar na nossa capacidade como indivíduos, independentemente de posses materiais, é ter boa auto-estima.Além da auto-estima, existem outras qualidades que podemos desenvolver para sermos mais resilientes.
Seguem algumas dicas:

• Exercitar o bom-humor: buscar o contentamento, alegria e bom-humor fazem bem à alma, à mente e ao corpo. Entrar em contato com a alegria não é uma tarefa fácil em tempos de crise, por isso a necessidade de exercitá-la. Você pode achar estranho pensar em contentamento quando estamos sofrendo, mas filosofias orientais nos ensinam que não é necessário “somar sofrimentos”, ou seja, não resolve estarmos tristes o tempo todo porque estamos passando por dificuldades. Apurar o senso de humor desarma os pessimistas;

• Ter amigos: recorrer a um amigo com quem podemos conversar, desabafar e contar o que se passa conosco;

• Ter hobbies: pintar, escrever, fotografar, fazer parte de um grupo social;

• Mentalizar seu projeto de vida, mesmo que não possa ser colocado em prática imediatamente. Sonhar com seu projeto é confortante e reduz a ansiedade;

• Aprender com a prática, refletir sobre as situações;

• Ter flexibilidade e criatividade;

• Aproveitar parte do tempo para ampliar conhecimentos: isso aumenta a auto-confiança;

• Assumir riscos (ter coragem);

• Acreditar no sentido da vida: seja através de alguma crença religiosa ou simplesmente acreditar que existe uma Inteligência Superior que rege o Universo;

• Aprender e adotar métodos práticos de relaxamento e meditação;

• Praticar esporte para aumentar o ânimo e a disposição. Os exercícios aumentam endorfinas e testosterona que, conseqüentemente, proporcionam sensação de bem-estar;

• Procurar manter o lar em harmonia, pois este é o "ponto de apoio para recuperar-se";

• Aproveitar parte do tempo para ampliar os conhecimentos, pois isso aumenta a autoconfiança;

• Transformar-se em um otimista incurável, visualizando sempre um futuro bom;

• Tornar-se um "sobrevivente" repleto de recursos;

• Usar a criatividade para quebrar a rotina;

Permitir-se sentir dor, recuar e, às vezes, enfraquecer para em seguida retornar ao estado original.


O auto-conhecimento é um grande aliado quando se trata de superação e enfrentamento. Conhecer nossas capacidades nos ajuda a encontrar forças internas para lutar. Conhecer nossas limitações é importante para sabermos quando pedir ajuda, inclusive um ombro amigo para desabafar e chorar, sem é claro, esperar dos outros que resolvam por nós nossas questões.O palestrante Tom Coelho, escrevendo sobre resiliência diz :” Nós apreciamos o calor porque já sentimos frio. Apreciamos a luz porque já estivemos no escuro. Apreciamos a saúde porque já fomos enfermos. Podemos, pois, experimentar a felicidade porque já conhecemos a tristeza.”

A resiliência consiste no equilíbrio entre a tensão e a habilidade de lutar, de atingir outro nível de consciência, que nos traz uma mudança de comportamento e a capacidade de lidar com os obstáculos da vida pessoal e profissional.

Aprendamos e sejamos RESILIÊNTES, pois a vida pede!

E pra fechar com chave de ouro, um poema sobre Resiliência:

Algumas flores

Teimam em viver
Apesar do peso
Apesar da morte
Apesar de algumas que teimam em morrer
Apesar de tudo

(Alice Ruiz)


Abraço a todos.

Maíra.

Continue lendo...

Author: Maíra
•16:43

Conheci a EFT há mais ou menos um ano atrás, em uma das minhas andanças pelo mundo virtual. Sempre fui muito curiosa e como estou sempre a busca de um novo conhecimento ou técnica que possa auxiliar no meu trabalho, de vez em quando dou uma “fuçada” na internet pra saber das novidades. Pois bem, em uma dessas pesquisas sem pretensão me deparei com alguns depoimentos de pessoas que se diziam curadas de traumas, fobias e até de doenças crônicas que os atormentavam há anos. Creditavam todo esse “ milagre” a uma técnica que eu nunca tinha ouvido falar, uma tal de EFT ( Emotional Freedom Techniques - Técnica de libertação emocional). Movida pela minha curiosidade e uma certa dose de ceticismo, baixei uma apostila gratuita disponibilizada pelo criador da técnica em um dos sites que visitei. A apostila era bem extensa, mas bem detalhada, falava da teoria por trás da técnica e ensinava passo a passo a praticá-la. Batidinhas com as pontas dos dedos em determinados pontos do corpo enquanto se repetia em voz alta frases formuladas de acordo com o problema a ser tratado… “- fácil demais, isso não funciona!” pensei, “técnica mais maluca!” Terminei de ler a apostila e ainda demorei uns dias pra testar em mim os efeitos da “ miraculosa” EFT.

Bem…tomei coragem e testei com uma questão pessoal que estava me incomodando naquele dia, e pra minha total surpresa, FUNCIONOU!!! O mal estar simplesmente SUMIU! Fiz outra vez com outro foco e… FUNCIONOU DE NOVO! Pensei: “- Nossa, porque não descobri isso antes??”
Desde então venho estudando, me especializando e praticando EFT. Tenho tido resultados impressionantes comigo mesma, com pessoas próximas e com meus clientes no consultório. Resultados que me animam e ainda me espantam as vezes. Um dos meus professores diz que EFT é pura Tecnologia Psicológica, e é exatamente isso que ela é, uma evolução no tratamento das dores emocionais, que muitas vezes se transformam em dores físicas. Um método simples, rápido e eficaz.

EFT não é a única ferramenta que se propõe a auxiliar na cura emocional, eu mesma utilizo no meu trabalho como psicóloga clínica várias outras, também muito eficientes, mas confesso que ate conhecer a EFT nunca tinha encontrado uma de efeito tão rápido (minutos, literalmente). Tampouco EFT se propõe a substituir nenhum tratamento médico tradicional, é bom deixar claro. Mas vale a pena conhecê-la, testá-la, tirar suas dúvidas.

O objetivo desse Blog é também divulgar técnicas que vem ajudando muita gente ao redor do mundo a curar sua vida, sentir simplesmente alívio, paz interna. Coisas tão raras no mundo de hoje.


Vou postar mais material sobre EFT, qualquer dúvida, perguntem! Terei prazer em responder.
Vejam abaixo um vídeo sobre a técnica:

video

Continue lendo...